Mostrar mensagens com a etiqueta Vila Nova de Gaia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Vila Nova de Gaia. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Um Projecto e(?)... de(?)... Dissertação

No seu certificado de Licenciatura da Uni, Sócrates apresenta uma intrigante disciplina: Projecto e Dissertação. A avaliar pelo nome, parece tratar-se de uma disciplina onde o investimento do aluno ao nível da investigação, do tratamento de dados e das respectivas propostas (testadas) de soluções é muito elevado. É de tal forma significativo este trabalho, que há o costume, em qualquer instituição de ensino superior, de o arquivar respectiva na Biblioteca durante, pelo menos, cinco anos. Até aqui, muito bem. Muito bem??? [Pequeno interlúdio biográfico]O meu pai e o meu avô, coitados, o que tiveram de me aguentar desde pequenina... Eram sessões de dezenas de perguntas consecutivas que, ora um, ora outro me iam tentando responder. Até que alguém... - é a vida!!!- me vaticinou um destino, juntando a isso um certo fel maldoso: " És uma curiosa", e, naquela hora - só naquela hora - murchei de tristeza. Afinal, vive-se porque se conhece. A capacidade de regeneração é grande. Punctum contra Punctum sorve mais um pouco de Elixir da Longa Vida preparado por sua avó, e, sorrindo por muitas razões, pergunta: - Qual foi o tema do Projecto e Dissertação de José Sócrates? - Quem foi o seu orientador? - Onde está essa dissertação? - Ninguém sabe... por agora!!!Procura-se, procura-se, e, na página da UnI encontra-se uma referência à disciplina "Projecto de Dissertação" (diferente de Projecto e Dissertação) que, de momento, apresenta a seguinte definição:"A disciplina de Projecto de Dissertação consiste na realização do Estágio de Fim de Curso com a duração de seis meses e tem como componentes principais:1. O desenvolvimento das actividades delineadas num Programa de Estágio;2. A elaboração do Relatório de Estágio;3. A apresentação e defesa daquele Relatório de Estágio."Estágio curricular obrigatório na cadeira de "Projecto de Dissertação"? Mas que estágio? Numa empresa? Privada? Pública? Qual? Quem orientou o estágio? Não é por nada, mas por mais que tente, ainda não consegui imaginar José Sócrates, deputado, ex-secretário de estado-Adjunto do Ministério do Ambiente, a ter de fazer um estagiozito e a ser avaliado, numa empresa mixuruca e reles deste pantanoso lugar.

UM DOCUMENTO MUITO IMPORTANTE: RELATÓRIO DO OBSERVATÓRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR (1993-2002)





José Sócrates concluiu a Licenciatura em Engenharia Civil, na Universidade Independente, em 8 de Setembro de 1996. Mas, de acordo com o Relatório do Observatório da Ciência e do Ensino Superior (1993-2002), pág. 339, a Universidade Independente, baseando-nos nos dados fornecidos pela própria, só em 1997 teve os primeiros diplomados em Engenharia Civil.Perante tal fenómeno, só se vislumbra uma de quatro hipóteses para o sucedido:

a) Não houve conclusões da Licenciatura em Engenharia Civil em 1996

b) Houve erro no preenchimento do formulário entregue ao Ministério da tutela

c) A Instituição não tinha autorização de funcionamento para os anos e disciplinas constantes no plano de estudos de José Sócratesd) A conclusão do curso não foi feita em 1996, mas em 1997(*)

A verificar-se uma das situações a) ou c), configurará, salvo melhor opinião - suponho (ajudem-me os senhores juristas, nossos visitantes) - a nulidade do processo de Sócrates.
Compete pois, agora, ao Ministério da da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior esclarecer cabalmente a opinião pública sobre este caso e apurar TODAS AS RESPONSABILIDADES.(*) "O Reitor Arouca é que tinha razão quando preferiu dizer ao "24 HORAS" que o ano da conclusão da suposta licenciatura de Sócrates era 1997. Ele sabia muito bem que alguém (como a Curiosa) podia desencantar um qualquer relatório oficial comprometedor...
Lembremos as informações de António Balbino Caldeira neste segmento do Pós-texto do post de Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007:
1. Afirma o jornal 24 Horas - por informação de Luís Arouca que é citado na mesma caixa - que José Sócrates se licenciou na Universidade Independente em 1997. Ora a directora dos Serviços Jurídico-Administrativo confirmou-me por e-mail (às 16:29 de 23 de Fevereiro de 2005) que o primeiro-ministro se licenciou em 1996 em Engenharia Civil. Terá sido, afinal, quando: 1996 ou 1997?..."Irnério 04.04.07 - 8:18 am Comentário ao post "As sombras do Expresso", no Portugal Profundo

APROVEITO PARA SAUDAR E AGRADECER, UMA VEZ MAIS, O EXCELENTE TRABALHO NO PORTUGAL PROFUNDO DE ANTÓNIO CALDEIRA, SEU AUTOR, E TAMBÉM, OS FANTÁSTICOS CONTRIBUTOS DOS SEUS COMENTADORES, ENTRE MUITOS OUTROS, DA "CURIOSA" e DO "IRNÉRIO", A QUEM SE DEVE A INFORMAÇÃO CONSTANTE NESTE POST."

AS MULHERES ATENDEM MAIS AOS PORMENORES... E... ISSO É UMA CHATICE!!!...



"Ontem, foi divulgado este documento.


Sabem, sou mulher. Por isso mesmo, não me é nada difícil localizar os iogurtes de framboesa, tão apreciados nesta casa, e que se não são rapidamente encontrados no frigorífico side-by-side de família, corro o sério risco de ter de ouvir o lamento " tu prometeste, mamã..." . Pior ainda, é a possibilidade de um dia, a frase poder ser completada com um "... e não cumpriste".

Isto para dizer que tenho algum treino visual para reparar nos pormenores.

Ontem, ao anunciarem a existência de um segundo certificado de José Sócrates, abri o respectivo PDF, entretanto disponibilizado pelo Jornal "PÚBLICO".

Não me detive nas classificações. Verifiquei que o documento estava datado ( 96/08/26), assinado pelo chefe da secretaria e...e... como sempre, os meus olhos detiveram-se em dois pormenores sem importância: no papel timbrado da Universidade Independente, no rodapé, entre outras informações, constam o endereço (físico e electrónico) e os números de telefone e de fax ( 351 21 836 19 00 e 351 21 836 19 22). Só que,... em 1996, os números de telefone não apresentavam os indicativos 21, 22, 290, mas sim, 01, 02, 090... etc, como aliás, pude confirmar (a alteração só foi feita em 31 de Outubro de 1999).





Um pouco mais à frente, consta ainda, um código postal composto por sete algarismos (1800-255), o que é deveras estranho, uma vez que só em 1998 começa a ser utilizada esta nova forma de indicação.


Conclusão: o certificado parece ter sido emitido, não em 26/08/1996, mas em data posterior a 31 de Outubro de 1999.O problema ("o maior dos problemas") reside no facto de o Gabinete do primeiro-ministro já ter
esclarecido, que a data válida era mesmo a do certificado que se encontra na Câmara da Covilhã."

Mais um erro administrativo, que só pode ser imputado à UNI" (dirá o Gabinete do primeiro-ministro).


Esta ultrapassou largamente as minhas expectativas... de tão básica que é!!!..."

Punctumcontrapunctum



"Os antigos romanos tinham uma curiosa tradição. Sempre que um dos seus engenheiros projectava a construção de um arco, durante a fase final e assim que as últimas pedras eram içadas e colocadas no seu lugar, o engenheiro assumia a fiabilidade da sua construção da forma mais empenhada possível: permanecia, imóvel, debaixo do arco."

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

O significado da Coerência mudou?



Eu não nasci ontem!

Dedicado, sem ambiguidades, a Hymenaeus e a Paulo João Canavarro Branco, entre outras personagens anónimas e não só... E não adianta espernear e dizer que não, porque eu vi e sei... mesmo quando me mentem descaradamente.


“Vivemos numa sociedade que, em grande parte, marcha ‘ao compasso da verdade’ - ou seja, que produz e faz circular discursos que funcionam como verdade, que passam por tal e que detêm, por este motivo, poderes específicos. A produção de discursos ‘verdadeiros’ (e que, além disso, mudam incessantemente) é um dos problemas fundamentais do Ocidente. A história da ‘verdade’ - do poder próprio dos discursos aceites como verdadeiros - está totalmente por ser feita.” (Michel Foucault)
«O poder simbólico é, com efeito, esse poder invisível o qual só pode ser exercido com a cumplicidade daqueles que não querem saber que lhe estão sujeitos ou mesmo que o exercem.» (Pierre Bourdieu)
«For an ideology differs from a simple opinion in that it claims to possess either the key to history, or the solution for all the ‘riddles of the universe’, or the intimate knowledge of the hidden universal laws which are supposed to rule nature and man.» (Michel Wiewiorka)

«’Reality’ is what we take to be true. What we take to be true is what we believe. What we believe is based upon our perceptions. What we perceive depends upon what we look for. What we look for depends upon what we think. What we think depends upon what we perceive. What we perceive determines what we believe. What we believe determines what we take to be true. What we take to be true is our reality.» (Zukav)"





Serpes




"Era uma vez duas serpentes que não gostavam uma da outra. Um dia encontraram-se num caminho muito estreito e como não gostavam uma da outra devoraram-se mutuamente. Quando cada uma devorou a outra não ficou nada. Esta história tradicional demonstra que se deve amar o próximo ou então ter muito cuidado com o que se come."

Ana Hatherly


NewsAlloy button